Notícias

“O leitor não tem mais tempo para ler uma coleção com sete volumes sobre essa matéria”

03 de fev de 2020

Autor do livro “Elementos de Direito Civil”, o registrador Christiano Cassetari, fala sobre sua obra de volume único

 

 

Atualizado com o cenário jurídico atual, incluindo Provimentos do CNJ e Leis de Registros Públicos, Elementos do Direito Civil é um livro feito para quem quer ir “direto ao ponto”. Em um único volume, Christiano Cassetari, discorre sobre o tema de forma didática e completa. O autor, que também é coordenador do curso de pós-graduação em Direito Notarial e Registral do Complexo Jurídico Damásio de Jesus e diretor da ARPEN-BR fala sobre sua obra em entrevista à ANB:

 

ANB – Quais são os principais tópicos abordados na obra?

Christiano Cassetari – A obra aborda o Código Civil inteiro, tratando da parte geral do Direito Civil, das obrigações, contratos, responsabilidade civil, direito das coisas, família e sucessões

 

ANB – O que o leitor pode esperar do livro?

Christiano Cassetari – A obra tem como propósito auxiliar todas as pessoas que precisam aprender ou rever o Direito Civil, a o fazerem de uma forma prática, num único volume, que contém todo o conteúdo de forma didática e profunda, com tudo o que há de mais novo e polêmico sobre os temas.

 

ANB – O que o levou a escrever este livro?

Christiano Cassetari – Em 20 anos de dedicação ao magistério lecionando Direito Civil percebi que o leitor não tem mais tempo para ler uma coleção com sete volumes sobre essa matéria. Dessa maneira, quis pegar minhas aulas preparadas, cuja fonte eram uma dezena de autores, e transformá-las num manual de volume único, com a objetividade que sempre me marcou como professor.

 

ANB – Qual o diferencial do livro?

Christiano Cassetari – Minha obra é a única no mercado que faz uma leitura do Direito Civil a luz do Direito Notarial e Registral. Então quando trato de temas como pessoa natural, emancipação, capacidade, contratos, direitos reais, casamento, união estável, alimentos e sucessão eu o faço citando a Lei de Registros públicos e os Provimentos do CNJ.